Integr(Arte): Imigração, Artes, Educação e Experiências Locais de Integração

Teresa Matos Pereira (Coord.), Abel Arez, Célia Martins, Joana Campos, Maria João Hortas e Natália Vieira

Observatório das Migrações, 67

Alto Comissariado para as Migrações (ACM)

Disponível Download

A dimensão social dos processos participativos no domínio das práticas artísticas assumiu nas últimas décadas uma visibilidade e importância acrescidas na medida em que artistas e outros agentes culturais desenvolveram um interesse particular pelo trabalho coletivo, colaborativo, baseado num contacto direto com as comunidades. Este interesse por parte dos artistas, enquadrado sob designações como community– based art, socially–engaged art, collaborative ou participatory art, entre outras, observou, por vezes, uma diluição de fronteiras entre artista e público, profissional e amador ou entre produção e receção pois o que estava em jogo era a recompensa criativa da experiência social. Atualmente este interesse pela dimensão social da arte repercute-se quer no campo da formação académica especializada em arte e educação, quer no campo da investigação, abrindo espaço para um cruzamento entre os domínios da prática artística, da educação e das ciências sociais. Apesar do crescente interesse sobre as práticas educativas em contextos não formais, designadamente no que diz respeito à arte, o facto é que escasseiam os estudos sobre os processos e o impacto de tais práticas no contexto português tendo em consideração as ligações entre educação artística não formal, comunidade, imigração e integração de imigrantes. A investigação realizada parte precisamente da necessidade de aprofundar o conhecimento sobre as potencialidades educativas das artes (nos domínios das artes visuais, música e teatro), em contextos não formais, para a integração de populações de origem imigrante, assumindo desde logo que a integração se constitui como um processo dinâmico, marcado pela reciprocidade e que se joga em grande parte à escala local.