O PARQUE DAS NAÇÕES EM LISBOA.Uma montra da metrópole à beira Tejo

24/12/2018

Patricia Pereira

Editora: Mundos Sociais

2018

 

Nas últimas décadas, cidades portuárias em todo o mundo, como Lisboa, têm vindo a ser particularmente afetadas por processos de transformação global que têm alterado de forma decisiva os espaços urbanos e as formas como os urbanitas se relacionam com eles. Estas cidades competem entre si ao nível internacional, pelo que os poderes públicos locais e centrais procuram implementar políticas urbanas e criar infraestruturas para reorientá-las de acordo com os interesses dos investidores globais. Foi nesse contexto que, associado à realização da Expo’98, se concretizou o projeto de intervenção urbana que deu origem ao Parque das Nações. Esta nova área ribeirinha residencial, comercial e de serviços tem-se vindo a constituir numa “montra” de Lisboa. Os seus espaços públicos, concebidos como lugares seguros e ordenados, apetecíveis para fins lúdicos, constituem um elemento importante da estratégia de competitividade urbana da capital portuguesa.

Recorrendo ao método de pesquisa de terreno, esta investigação explorou os modos de apropriação e interação que esses espaços públicos suscitam. A partir desse objetivo inicial surgiram várias outras questões às quais se procurou responder ao longo da investigação.

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linkedin
Please reload