Do Fim do Mundo ao Princípio da Rua - Planos de Mobilidade Urbana Sustentável 3ªGeração

12/3/2018

AUTOR Pedro Ribeiro da Silva

Editor: Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade (ICVM)

 

 

 

Mais do que projectar ampliações da rede viária, há que planear a sua reconversão em espaço público sociável; Mais do que construir alternativas físicas para o automóvel na cidade, converter as infraestruturas viárias intrusivas em canais de circulação de mobilidade suave ou ativa; Mais do que hierarquizar a estrutura viária, planear a redução de distância casa-trabalho-escola; Mais do que desenhar pistas ciciáveis, tornar toda a cidade amigável para a bicicleta; Mais do que haver sistemas sofisticados de bicicletas públicas, existir um sistema absolutamente democrático do seu uso; Mais do que projectar passeios para exclusivamente circular, estabelecer neles pontos de descanso quando a idade dos cidadãos o pede; Mais do que projectar centrais de camionagem, construir intermodais integrados, funcional e arquitetonicamente, no sistema urbano; Mais do que construir parques de estacionamento nos centros urbanos, propor deslocações de transporte público, frequentes e cómodas, dos parques periféricos ao centro da cidade; Mais do que zonar a cidade, dotá-la de corredores urbanos e ecológicos contínuos; Mais do que uma cidade funcionalista de unidades de usos exclusivos, propor um mix de funções urbanas compatíveis; Mais do que um sistema de segurança da via pública, um desenho urbano que estimule a circulação segura das crianças no caminho da escola e dos séniores no espaço público; Mais do que as cidades assépticas e totalmente higienizadas dos Shoppings periféricos, cidades onde se possa passear nas calçadas molhadas em dias de chuva ou aquecer num chá quente do café quando o inverno existe; Mais do que algumas ideias, uma proposta de trabalho atrás da terceira geração do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável.

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linkedin
Please reload